68. Saving a Pigeon – 68. Salvando um Pombo

      Reproduzir áudio
68. Saving a Pigeon

When Julia left for school in the morning, she noticed a pigeon sitting very closely to the front door of her apartment building. Usually pigeons flew away whenever someone got too close to them, but this pigeon didn’t seem to care. Julia didn’t think too much of it though. When she got back home from school that afternoon, she noticed the pigeon was in the same exact place. It seemed the pigeon hadn’t moved at all. Julia moved closer. She noticed the pigeon had a wound on its wing. She was worried that a dog or a cat would eat the injured animal. Julie ran upstairs to her apartment and told her mom about the pigeon.

“We have to help it!” Julie insisted. Julie’s mom made a disgusted face. “I don’t want to. Pigeons have diseases,” she said. Julie began to cry. This made Julie’s mom feel bad. She gave in, but she gave Julie some rules. The pigeon had to stay in the kitchen in a storage bin. Julie’s mom didn’t want to have to touch the dirty bird.

Julie put one of her old baby blankets on the bottom of a deep storage bin. While Julie tried to feed the injured bird bits of moist bread, Julie’s mom looked online for local animal rescue organizations. She felt silly trying to save a pigeon though. Finally she found an organization that would take the bird, but not until the next morning. Julie stayed up all night watching the bird.

The next morning Julia and her mother took the subway to the bird rescue organization. Many people on the train gave Julie and her mother strange looks. Julie’s mother just shrugged. When they got to the rescue organization, Julie told the worker, “Please take good care of Sebastian”.

68. Salvando um Pombo

Quando Julia foi para a escola pela manhã, notou um pombo perto da porta da frente de seu apartamento. Usualmente pombos voavam para longe sempre que alguém se aproxima deles, mas este pombo não parecia se importar. Julia não se esforçou para enxotá-lo. Quando ela voltou da escola naquela tarde, ela notou que o pombo se encontrava no mesmo lugar. Parecia que o pombo não se moveu mais para perto. Julia se aproximou. Ela notou que o pombo tinha um ferimento no sua asa. Ela ficou preocupada que um cão ou um gato pudesse comer o animal ferido. Julia correu para seu apartamento e contou à sua mãe sobre o pombo.

Nós temos que ajudá-lo! Insistiu Julia. A mãe de Júlia fez uma cara de nojo. Eu não quero pombos. Pombos causam doenças disse ela. Júlia começou a chorar. Isso fez a mãe de Júlia se sentir mal. Ela cedeu mas impôs a Júlia algumas regras. O pombo tinha que ficar na cozinha em uma gaiola. A mãe de Júlia não queria tocar no pássaro sujo.

Julie colocou um dos seus velhos cobertores do bebê na parte inferior de um escaninho de armazenamento profundo. Enquanto Julia tentava alimentar o pássaro ferido com pedaços de pão úmido a mãe de Julia procurou online por organizações de resgate de animais local. Ela se sentia tola tentando salvar um pombo. Finalmente ela encontrou uma organização que levaria a ave mas não até a manhã seguinte. Julia ficou acordada a noite toda vendo a ave.

Na manhã seguinte Júlia e sua mãe pegaram o metrô para organização de resgate de aves. Muitas pessoas no trem olhavam para Júlia e sua mãe com olhares estranhos. A mãe de Júlia apenas ignorava. Quando chegaram à organização de resgate. Júlie disse ao trabalhador: “Por favor cuide bem de Sebastian”.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here