89. My Embarrassing Family – 89. Minha embaraçosa família

      Reproduzir áudio
89. My Embarrassing Family

Let me tell you about my family. They are embarrassing to say the least. The first time I brought a boy home to meet my parents, they asked him countless questions that no parent should ask. “When did you lose your virginity? Do you believe in Jesus Christ? How many sexual partners have you had?” Safe to say, that boy I brought home stopped talking to me after he met my parents. I stayed single throughout my time at high school. It was not that I didn’t like anyone or that no one liked me. It was that my parents had a rule. They had to approve of whoever I would be dating. Sometimes I thought they had that rule specifically to embarrass me.

I hate that I can’t have normal parents. They are weird. They like collecting old books, and watching old movies. They listen to old records on an old record player. They say that it’s better than listening to an iPod. I always let them know that at least I can listen to my iPod when I go out. The last day of high school had passed, and I didn’t know what I wanted to do. I decided to take a year off and work. My parents didn’t like it, but it was my decision to make.

I got a job at a little restaurant called “Baker’s Cabin”. It was a nice restaurant where people could sit down and have a good steak dinner at a reasonable price. I liked working there. However, what I liked most was the bartender Paul. He had barely turned 21, and was already working behind the bar. We started talking. I think he really likes me, but I don’t want things to get awkward when he meets my parents. One day, my friend Susan told Paul that the only way he could date me was to meet my parents. Paul went over that night with some records his dad had given him, and offered them to my parents. They went nuts, and invited him in. They started asking him questions, but not about his sex life or religious beliefs. The questions were all about music. They really liked him, and they were actually acting normal. I think Paul is the guy for me.

89. Minha embaraçosa família

Deixe-me te contar sobre minha família. Eles são embaraçosos para dizer o mínimo. A primeira vez que eu trouxe um garoto em casa para conhecer meus pais, eles perguntaram a ele incontáveis questões que nenhum pai deve perguntar. “Quando você perdeu sua virgindade? Você acredita em Jesus Cristo? Quantas parceiras sexuais você já teve?” Seguro dizer, que o garoto que eu trouxe para casa parou de falar comigo depois que conheceu meus pais. Eu fiquei solteira ao longo do meu tempo no colegial. Não porque eu não gostava de ninguém ou que ninguém gostasse de mim. Foi porque meus pais tinham uma regra. Eles tinham de aprovar com quem eu iria namorar. Às vezes eu pensava que eles tinham essa regra especificamente para me atrapalhar.

Eu odeio que eu não tenha pais normais. Eles são estranhos. Eles gostam de colecionar livros velhos, e assistir filmes antigos. Eles escutam a discos antigos num velho toca-discos. Eles dizem que isso e melhor que ouvir um iPod. Eu sempre deixo eles saberem que pelo menos eu posso ouvir meu iPod quando eu saio. O último dia do colegial passou, e eu não sabia o que eu queria fazer. Eu decidi tirar um ano sem estudos e trabalhar. Meus pais não gostaram disso, mas era a minha decisão a tomar.

Eu consegui um emprego num pequeno restaurante chamado “Baker’s Cabin”. Era um bom restaurante onde as pessoas podiam sentar e ter uma boa carne de jantar a um preço razoável. Eu gostava de trabalhar lá. Contudo, o que eu gostava mais era do bartender Paul. Ele mal tinha 21, e já estava trabalhando atrás do bar. Nós começamos a conversar, e penso que ele realmente gosta de mim, mas eu não quero que as coisas se tornem estranhas quando ele conhecer meus pais. Um dia, minha amiga Susan contou ao Paul que o único jeito de ele conseguir me namorar era conhecer meus pais. Paul foi aquela noite com alguns discos que seu pai o deu, e ofereceu eles aos meus pais. Eles ficaram loucos, e convidaram ele para entrar. Eles começaram a fazer perguntas para ele, mas não sobre sua vida sexual ou crença religiosas. Todas as questões eram sobre música. Eles realmente gostaram dele, e eles estão agindo normal atualmente. Eu acho que Paul é o cara para mim.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here