56. Woken up by Fireworks – 56. Acordada por fogos de artifício.

108
      Reproduzir áudio
56. Woken up by Fireworks

A loud boom woke her up. She looked at the clock next to her bed. It was midnight. “What was that?” she asked her husband, who hadn’t been woken up by the sound, so Betty shook him. Another loud boom followed. Then there was a crackling sound. “Oh, that’s just fireworks,” Betty’s husband said. It wasn’t the fourth of July, the most common day to hear fireworks. It was just a normal Thursday night in the middle of June. “Why would there be fireworks now?” Betty asked.

Betty and her husband just moved into a new house after their wedding. This was the neighborhood her husband grew up in. He said it was common for people to start setting off fireworks in the summer, even before the Independence Day holiday. “The whole summer is a reason for fireworks here,” Betty’s husband told her. He said that even when it wasn’t summer, people set off fireworks for whatever they were celebrating.

“Maybe someone is having a graduation party or a birthday,” Betty’s husband told her. He said that sometimes people set off fireworks even when a local sports team won a game. Betty wondered how that was legal. She thought fireworks were illegal to buy and use. Betty’s husband told her that it was easy enough for people to buy fireworks. He also told her that different counties in the state had different laws, so people could buy fireworks in one county and use them in a different county, like where they lived. “Also people can legally set off fireworks for holidays besides the fourth of July, like for Lunar New Year,” he added.

Betty tried to go back to sleep, but the loud booms and crackles kept going. She decided to get a glass of water and go out into the yard to see the fireworks.

56. Acordada por fogos de artifício.

Um alto estrondo a acordou. Ela olhou para o relógio próximo de sua cama. Era meia noite. “O que foi aquilo?” ela perguntou ao seu marido, ele não havia sido acordado pelo som, então Betty o sacudiu. Outro alto estrondo se seguiu. Então houve um som de estalo. “Oh, são apenas fogos de artifício” o marido de Betty disse. Isso não era o 4 de Julho, o dia mais comum para se ouvir fogos de artifício. Era apenas uma noite normal de quinta-feira no meio de junho.” Por que haveria fogos de artifício agora?” Betty perguntou.

Betty e seu marido se mudaram para uma nova casa apenas depois do seu casamento. Aquele era o bairro no qual seu marido cresceu. Ele disse que era comum para as pessoas iniciar os fogos de artifício no verão, mesmo antes do feriado do dia da independência. “Todo verão é uma razão para fogos de artifício aqui,” O marido de Betty a disse. Ele disse que mesmo quando não era verão, as pessoas soltavam fogos de artifício por qualquer coisa que estivessem comemorando.

“talvez alguém está tendo uma festa de graduação ou aniversário” o marido de Betty a contou. Ele falou que às vezes pessoas soltam fogos de artifício até quando times de esportes locais ganham um jogo. Betty se perguntou como aquilo era legal. Ela pensou que fogos de artifício fossem ilegais para comprar e usar. O marido de Betty disse que era fácil o suficiente para as pessoas comprar fogos de artifício. Ele também disse a ela que diferentes municípios do estado tinham leis diferentes, então, as pessoas podiam comprar fogos de artifício em um município e usá-los em outro município, como onde eles viviam. “As pessoas também podem legalmente soltar fogos de artifício para as férias, além de quatro de julho, como para o Ano Novo Lunar”, acrescentou.

Betty tentou voltar a dormir, mas os altos estrondos e estalos continuaram. Ela decidiu pegar um copo de água e sair para o quintal para ver os fogos de artifício.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here