31. No Such Thing as Free Lunch – 31. Nada melhor do que um almoço grátis

      Reproduzir áudio
31. No Such Thing as Free Lunch

Ever since Mary moved to the United States one year ago, she often heard the phrase “no such thing as free lunch”. While she understood this to mean that you can’t get something for nothing, she heard other mothers at her child’s school talking about the free lunch program.

“How much does it cost to enroll?” Mary asked the secretary at her child’s school. The secretary smiled and told Mary that it didn’t cost anything except a little bit of time. In order to find out if Mary’s child was qualified to get free lunch at school, she had to fill out a form. The form was available in many languages besides English. It asked Mary basic questions like where she lived, how many children she had, and what her annual income was.

Filling out the form was easy, and Mary didn’t have to include proof of her income. She was worried though if the information on the form would be shared with other agencies. The secretary told her that the information was not shared. If Mary made below a certain amount annually, her child could get free lunch not just during the school year, but also even during the summer, when there was no school.

Mary knew this would help her family. While Mary did work, she only worked part-time. Giving her child money for lunch every day did add up and impact the family budget.

After filling out and submitting the form back to the school secretary, Mary had to wait a month or two before finding out if she was qualified. A few weeks after she submitted the form, a letter arrived in the mail. The letter informed her that her child was qualified. The letter also told her that her child could also get free breakfast in school.

31. Nada melhor do que um almoço grátis

Desde que Mary se mudou para os Estados Unidos há um ano, geralmente ela ouvia a frase “nada melhor do que um almoço grátis”. Enquanto ela entendeu que isso significava que você não podia conseguir algo de graça, ela ouviu outras mães na escola de sua filha falando sobre o programa de almoço gratuito.

“Quanto custa para se inscrever?” Mary perguntou ao secretario da escola de sua filha. O secretário sorriu e disse a Maria que não custava nada além de um pouco de tempo. A fim de descobrir se a filha de Mary era qualificada para obter o almoço grátis na escola, ela teve que preencher um formulário. O formulário estava disponível em varios idiomas além do Inglês. Ele perguntou a Mary questões básicas como onde ela morava, quantos filhos ela tinha, e qual era a sua renda anual.

Preencher o formulário foi fácil, e Maria não teve que incluir a prova de sua renda. Ela estava preocupada que as informações do formulário fossem compartilhados com outras agências. O secretário disse que as informações não seriam compartilhadas. Se Mary recebesse abaixo de um certo montante anualmente, sua filha poderia receber almoço grátis, e não apenas durante o ano escolar, mas também até mesmo durante o verão, quando não há escola.

Mary sabia que isso iria ajudar a família. Quando Maria trabalhava, ela só trabalhava meio período. Dando a sua filha dinheiro para o almoço todos os dias, que se somavam e aumentavam o orçamento familiar.

Depois de preencher e enviar o formulário de volta para o secretário da escola, Mary teve que esperar um mês ou dois antes de descobrir se ela foi qualificada. Poucas semanas depois de ter enviado o formulário, uma carta chegou pelo correio. A carta informava a ela que sua filha estava qualificada. A carta também dizia que sua filha também podia receber almoço gratuito na escola.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here